Navegando pela Categoria

Coluna Livre

UM NOVO TEMPO PARA O SUL DA BAHIA

Por Josias Gomes*

Durante décadas, o Sul da Bahia, tendo Ilhéus e Itabuna como as duas maiores cidades, foi uma espécie de locomotiva do Estado, com a lavoura do cacau gerando receitas suficientes para impulsionar o desenvolvimento de outras regiões, chegando a representar 60% do PIB baiano.

Sucessivas crises, que culminaram no final da década de 80 e início dos anos 90 com a chegada e expansão da vassoura de bruxa, que em seu período mais crítico dizimou cerca de 80% da lavoura, fizeram com que a região mergulhasse numa profunda crise, com a explosão do desemprego e queda acentuada em todos os índices socioeconômicos. Itabuna e Ilhéus, as duas maiores cidades.

Durante quase duas décadas, justamente no momento em que a região mais precisou de apoio para se reerguer, governantes insensíveis e sem compromisso com o Sul da Bahia, se mostraram omissos, agravando ainda mais a situação e afetando milhões de pessoas. Práticas equivocadas de renovação da lavoura, por exemplo, levaram produtores a um endividamento brutal, tornando-os incapazes de investir na retomada da produção.

(mais…)

AS BRAVATAS E CONVICÇÕES DE MANGABEIRA

Enquanto o prefeito de Itabuna, Fernando Gomes, parece sinalizar que acabará a sua vida pública com os pés no futuro, o médico e ex-candidato a prefeito Antônio Mangabeira (PDT) parece iniciá-la com a cabeça no passado. Pela forma atabalhoada que se posiciona nesse pouco mais de um ano, parece sofrer da síndrome do narcisismo.

A nova política pregada por Mangabeira na última eleição não durou muito tempo. Assim que conseguiu conquistar prestígio através dos votos, que ele acha que são todos dele, conquistados na última eleição, passou a seguir suas alianças com a nova versão carlista, vai de Félix Júnior (PDT) e ACM Neto (DEM). Chupa essa manga!

A INTOLERÂNCIA NOS DETALHES

Por Rosivaldo Pinheiro

A intolerância é um sentimento visto, percebido e praticado por todos nós cotidianamente. A última eleição presidencial deixou ainda mais exposta essa capacidade humana. A intolerância foi flagrada nos discursos, entrevistas e debates dos candidatos, que, apresentados em áudio e vídeo e sem edição, ganharam as ruas e viralizaram na internet.

A praticamos de forma consciente ou inconsciente, quase sempre de forma cordial ou hospitaleira. Uma espécie de bom humor, mas que traz na sua gênese uma carga de ódio que vem da essência: ódio de classe, discriminação racial, religiosa e outras formas que apontam a mesma caracterização desse comportamento. Uma marca negativa que acabou dividindo o país entre os supostos “sul rico” e o “norte e nordeste pobres”.

A intolerância é um conjunto de sentimentos e manifestações de luzes e sombras, vai do simbólico ao diabólico, conforme descreve Leonardo Boff. É raiz que sustenta a violência gerando frutos que impõem medo em escala mundial. Sua prática reduz a realidade ao assumir apenas a existência de um polo e negar o outro. É um processo de coação manifestado pela imposição do pensamento único.

Os estudiosos apontam os sentimentos separatistas e ultranacionalistas como portas abertas ao fundamentalismo, estágio máximo da intolerância, onde um determinado grupo assume o controle das ações de estado fazendo valer seus dogmas (pensamentos), eliminando todos os grupos ou indivíduos que se oponham ou não busquem praticar suas teorias. O fundamentalismo é uma junção entre Leis, princípios e governo com o propósito de colocar em prática as verdades defendidas por aqueles que ascendem ao comando.

O mundo convive na atualidade com as migrações de mais de 65 milhões de pessoas que tiveram que largar suas histórias de vida, abandonar seus países e partirem numa aventura sem nem sempre conseguirem abrigo em pátrias estranhas, em função da intolerância manifestada pelos fundamentalistas.

Para evitarmos essa degradação do espirito fraternal que deve nos acompanhar em comunidade, devemos nos esforçar em praticar a tolerância ativa, respeitando as diferenças, buscar ver o outro como indivíduo detentor de visões de mundo próprias. Entender a coexistência e os valores inerentes a ela, como parte relevante da formação de cada indivíduo. Esse deve ser o caminho universal para o exercício da vida em sociedade.

BOCÃO X TRANSALVADOR: A FATURA SEMPRE VEM

Por Malu Fontes*

Bocão vs Transalvador:

Alguns pontos:
Acho muito errado agentes da Transalvador, como quaisquer outros agentes públicos, gravarem propositadamente, e com a intenção de jogar na rede, a imagem de quem quer que seja.

Mas..
1 – … Zé Eduardo, e não só ele, mas vááários programas, de váááárias emissoras, locais e nacionais, nunca viram nada demais em exibir – e com isso obter muita audiência e consequentemente ganhar muito dinheiro – imagens de pessoas, sejam famosas ou anônimas, em situações absurdamente constrangedoras. Repito: tanto Zé Eduardo quanto outros programas e outros apresentadores passaram a vida e fizeram carreira e fortunas exibindo a imagem de pessoas sem o seu (delas) consentimento e sem questionar se essas pessoas têm/tinham ou não têm/tinham direito à privacidade e à própria imagem.

2 – Esse formato de atração televisiva SEMPRE explorou imagens de gente que teve sua imagem, gravada à revelia, na porta ou dentro de delegacias ou em outros estabelecimentos públicos, portanto imagens sendo gravadas por agentes públicos ou com autorização destes. Assim, não nos esqueçamos do ônzimo mandamento, fruto dos tempos Pós-Joesley: quem com áudio fere, com ele é ferido/quem com vídeo fere/com ele é ferido. Os delegados, os agentes policiais sempre autorizaram a filmagem de pessoas que estão sob a abordagem policial ou sob a custódia do estado.

(mais…)

A VERDADEIRA CAUSA DA EROSÃO NA PRAIA DE SÃO MIGUEL EM ILHÉUS: CONSEQUÊNCIAS E SUGESTÕES

Por Roberto José*

Recentemente assistindo dois telejornais de famosas emissoras da nossa região, percebi que em ambas as reportagens existem vários equívocos, do ponto de vista científico, sobre as causas e possíveis soluções para o momento de erosão nas praias da região de São Miguel no Município de Ilhéus – Bahia, o que me incomodou a escrever de forma minuciosa e de fácil entendimento para nossa população, porém sem abrir mão da base cientifica para as afirmações elencadas, bem como, disponibilizar uma vasta bibliografia sobre o assunto, que aqui será mencionada.

Assim, vejamos. As reportagens colocaram a culpa sobre os episódios de erosão marítima na região exclusivamente nos eventos naturais, como por exemplo, a presença de uma frente fria ocasionando a região sul baiana fortes chuvas e rajadas de ventos, e também da falta de manutenção e construção obras transversais (molhes ou esporões) por parte dos autoridades competentes.

É importante antes, fazer menção ao conceito de “região costeira” ou de “praia”, o qual é um ecossistema frágil devido a sua localização na interface continente-oceano-atmosfera, onde os processos físicos, químicos, biológicos e geológicos característicos desta zona de interação atuam de forma dinâmica. A estabilidade sedimentar (da areia) e morfológica (da forma) de uma região costeira (praia) é controlada, na escala regional, pelo balanço entre os processos meteorológicos (chuva e vento), oceanográficos (correntes de deriva costeira) e as descargas fluvial e sedimentar (rios da região), configurando o impacto do homem, mais um fator determinante sobre o balanço sedimentar e a morfologia da linha de costa, segundo aponta a pesquisadora Ignácio (2007).

(mais…)

EM NOVEMBRO, MANIFESTO DE APOIO A GEDDEL…

Em meio a toda turbulência envolvendo a família Vieira Lima, com malas e caixas de dinheiro e declarações grosseiras e outras fantasiosas por parte do irmão Lúcio Vieira Lima e mãe de Geddel Vieira Lima (PMDB), Marluce Quadros Vieira Lima, respectivamente, eis que vem a tona, um manifesto de apoio, amplo e irrestrito, por meio de nota oficial ao então ministro, em novembro do ano passado.

No documento, líderes e vice-líderes de todos os partidos da base aliada do governo Michel Temer (PSDB, DEM, PMDB, PSB, PPS, PTN, PHS…) assinaram endossando competência e caráter do baiano, bem como sua destreza no trato entre o governo e o congresso, movimentos sociais e partidos políticos.

AO PEDIR PRISÃO DE MILLER, JANOT MOSTROU CORAGEM, DIZ COLUNA

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pediu nesta sexta-feira, 8, ao Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Edson Fachin, relator das investigações da J&F, a prisão do empresário Joesley Batista, do ex-executivo da J&F Ricardo Saud e do ex-procurador da República Marcelo Miller, suspeito de ter atuado como um “agente duplo”. O PGR concluiu que os colaboradores esconderam do Ministério Público fatos criminosos que deveriam ter sido contados nos depoimentos.

A julgar pela proximidade do Procurador com Marcelo Miller, pode-se deduzir que Janot mostrou muita coragem. Aliás, esta é a avaliação de jornalistas que acompanham diariamente o desenrolar dos fatos que envolvem a operação. O colunista Lauro Jardim de O Globo, por exemplo, diz que Miller é um depósito de muita informação sobre os bastidores de muitas delações premiadas.

AGRAVOS PSICOLÓGICOS DO ESTUPRO

Por Bárbara Andrade*

“[…] Não houve constrangimento.”. “Sexo: se não é opção, é abuso.”
A dignidade do ser humano é intransponível e intransferível.

Começo este texto com estas frases que causaram discussões nos ambientes cibernéticos e não cibernéticos, gerando várias indagações acerca do “lugar” da mulher, o direito de não ser invadida, abusada, mulher como objeto sexual, empoderamento, Leis ou leis? Ética ou ótica? Abuso ou estupro? Será que o abuso ou mesmo estupro é somente quando há penetração, e os agravos simbólicos disso?

A Organização Mundial da Saúde – OMS considera violência contra a mulher qualquer ato que cause ou tenha alta probabilidade de causar dano físico, sexual, mental e porque não dizer também social. Pois, quando se pensa em abuso sexual pensa somente nas causas físicas e sexuais e, ainda, se permeia a cultura do estupro – Quando se interessa saber quem é o algoz, sempre a culpabilidade recai sobre a vítima (roupas, lugar errado/inapropriado, verbalizações etc.).

Mas, as causas não são somente estas e digo que a “marca” simbólica é muito maior do que se pensa. Será que a Justiça ou mesmo esta cultura patriarcal arraigada em algumas veias sociais pararam para pensar, por exemplo, nesta mulher que teve em seu pescoço resquícios de esperma ou mesmo estas tantas mulheres que são assediadas e/ou estupradas em seu ambiente de trabalho, lar ou na rua, ficam marcadas psicologicamente?

(mais…)

DIGO NÃO À VENDA DA EMASA: QUAIS AS RAZÕES?

Por Roberto José*

Há quem diga que o prefeito Fernando Gomes sempre sonhou em vender a EMASA, não para torná-la mais eficiente, mas entrelinhas sabem-se certamente os REAIS motivos. Vejamos então as razões por que sou contra a famigerada privatização, atualmente utilizando-se um nome eufêmico de PPP (parceria-público-privada).

Assim, podemos dizer que todo planejamento de um ambiente urbano requer disciplina, métodos adequados, integração, mobilização social e coordenação efetiva das ações técnicas propostas para construção de um plano diretor e também para solução de problemas. No que tange aos recursos hídricos, este planejamento precisa ser ainda mais detalhado, flexível e mobilizador, vista que no Brasil há o estabelecimento de uma política específica para os recursos hídricos, instituída pela Lei Federal nº 9.433 de 08 de janeiro de 1997, define através do Art. 1º – VI – que a gestão dos recursos hídricos deve ser descentralizada, contando com a participação do poder público, dos usuários e das comunidades, sendo, portanto um objeto de mobilização social.

A água é notavelmente um recurso de grande valor para a vida e biodiversidade, além de ser vital para a manutenção das atividades socioeconômicas. Assim, é essencial que a sociedade repense (poder público, cidadãos e sociedade civil) algumas práticas indevidas de utilização do recurso, falhas no processo de gestão e busque um conhecimento do tema que possa subsidiar um gerenciamento adequado e cada vez mais necessário deste recurso natural. Em uma colocação feita pelo pesquisador Zinato (2000), a água é pontuada como um elemento altamente mobilizador que está relacionado com a saúde, a vida e o lazer do ser humano, e carrega consigo inúmeras simbologias sejam elas de cunho técnico ou aspectos socioculturais.

Historicamente, o município não recorre a sistemas de represamentos de água para suprir as demandas da população, sendo a captação a “fio d’água” no rio Almada em Castelo Novo (Ilhéus) à fonte majoritária para atender a cidade, embora tenhamos a barragem do Rio Colônia em processo de finalização, porém, desde sempre a confiança no ciclo hidrológico tem sido o norteador para que não ocorram situações de escassez hídrica para o município.

(mais…)

REDE DE CONTROLE LANÇA CARTILHA DE COMBATE A CORRUPÇÃO

A Rede de Controle da Gestão Pública lançou, na última quarta-feira, 23 de agosto, a cartilha “Com você a nossa rede é mais forte”, que convida o cidadão a exercer o controle social, enviando críticas, sugestões e denúncias de irregularidades aos 16 órgãos que integram a Rede.

A cartilha de bolso foi apresentada pelo presidente do TCE/BA, conselheiro Inaldo da Paixão Santos Araújo, como instrumento de cidadania e de exercício de direitos e deveres. “Publicações como essa auxiliam o cidadão a cobrar os seus direitos, sempre que virem indícios de irregularidades na administração pública. Precisamos de um diálogo cada vez mais próximo com a sociedade para que a gestão possa se aperfeiçoar e garantir que o recurso público seja aplicado com eficiência, eficácia e economicidade. Essa é a nossa missão”, disse o conselheiro.

A cartilha “Com você a nossa rede é mais forte” está disponível na Gebid e também em versão digital no espaço Publicações do Portal TCE/BA.

Clique aqui também para ter acesso.