Buerarema
Plansul
COLÉGIO JORGE AMADO
Pref ilheus junho
Ieprol

A SURPREENDENTE VERDADE SOBRE COMO OS CANDIDATOS EXPLORAM AS EMOÇÕES DOS ELEITORES

Por Andreyver Lima*

As emoções influenciam nossas escolhas na vida e os marqueteiros utilizam muito bem esse conhecimento quando se trata de eleições. É por isso que as campanhas eleitorais precisam não apenas apresentar os candidatos, mas trabalhar as emoções do eleitor a seu favor. Basicamente, os estrategistas, por meio de pesquisas, mapeiam o sentimento do público e usam as emoções humanas como base para atração de potenciais eleitores: O chamado Neuromarketing.

EMOÇÃO vs. SENTIMENTO: QUAL A DIFERENÇA? Antes, é preciso saber que a emoção é uma reação a um estímulo, algo que mexe com você e que não envolve pensamento. Já o sentimento tem um alto grau de percepção dos fatos. Embora sejamos seres racionais, na hora de tomarmos decisões nossas emoções costumam falar mais alto.

EXEMPLO PRÁTICO DE MARKETING EMOCIONAL Isso acontece na campanha de ACM Neto (UB), que apela para a nostalgia com o popular jingle ‘ACM, Meu Amor’, de seu avô, o ex-senador e ex-governador Antônio Carlos Magalhães, remetendo os eleitores mais velhos aos tempos em que a Bahia esteve sob comando ‘carlista’. O objetivo é sensibilizar e colar sua imagem ao ex-governador. Outros atributos da campanha de Neto não podem ser ignorados, como seu engajamento nas redes sociais, já que ele se apresenta como o novo após 16 anos de governo petista no estado.

O segundo colocado nas pesquisas, Jerônimo Rodrigues (PT), além de disputar o eleitor mais jovem, muito influenciado por sua passagem como secretário de educação do estado, o candidato tem a necessidade de colar sua imagem com a do ex-presidente Lula. Apelando para a confiança do eleitorado na figura do ex-presidente e na segurança da continuidade de um projeto iniciado por Wagner e passado para Rui Costa.

Já João Roma (PL), o pai do Auxilio Brasil, tem cumprido o papel de criar conexão e engajamento junto ao presidente Bolsonaro, algo que vem trabalhando desde que assumiu o Ministério da Cidadania. Assim como Bolsonaro, Roma sempre esteve em campanha no sentido de firmar essa assimilação ao eleitor, o que lhe garantiu pontos nas pesquisas.

Com a proximidade do pleito eleitoral, apelando para as emoções corretas, o resultado a esses estímulos é a conversão na forma de votos.

Andreyver Lima é Jornalista, comentarista político, âncora do podcast Café iPolítica e editor do blog Seja Ilimitado. 73 99115-7285 www.sejailimitado.com.br

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.