Plansul
uruçuca novo
Emasa
Cerveja Je assunção
Buerarema
Ieprol
Navegando pela Categoria

Coluna Livre

O CÓDIGO DE TRÂNSITO BRASILEIRO E AS INFRAÇÕES AUTO SUSPENSIVAS

Por Gilson Nascimento*

Na última quinta-feira, dia 23 de setembro, o Código de Trânsito Brasileiro, promulgado em 1997, completou 24 anos de existência. Ao longo desse tempo, sofreu várias boas alterações e outras nem tanto. Segundo o Observatório Nacional da Segurança Viária, já estamos na 27ª alteração no Código de Trânsito Brasileiro desde a sua promulgação, ou seja, uma media de uma alteração a cada 10 meses. Temos atualmente 874 Resoluções e 1.065 Portarias só em 2021.

O CTB originalmente teve 322 artigos, sendo que do artigo 161 até o 255, referem-se somente às infrações e penalidades. O texto da Lei é dividido em 20 Capítulos, sendo que 15 deles são regulamentares e cinco são específicos das penalidades. O texto traz ainda as normas de conduta e cidadania, engenharia de tráfego, registro e habilitação de condutores.

(mais…)

Leia mais...

VOCÊ É IMEDIATISTA?

Por Deus, eu sempre ouvi isso desde que me entendo por gente. E cá entre nós, acredito piamente que somos fundamentalmente imediatistas. Somos aliados às urgências, como se a vida fosse um disponível fast food 24 horas. Não fomos educados a saber aguardar e quando atingimos a fase adulta precisamos lidar com a ansiedade e a dura angústia de viver sem saber do futuro. Aguardar significa lidar com a dúvida constante sobre se os planos darão certos e se estamos ou não no caminho desejado.

No entanto, tudo nos carece de esperas. Um resultado de exame, a consulta no médico, o décimo terceiro salário, a posse no cargo público, a fila no hospital, o nascimento de um filho… Me conta, o que não precisa esperar?

Meu ritmo é frenético, calculado semanalmente para todas as necessidades serem atendidas. É uma corrida contra o tempo. Fui criada a não deixar ninguém aguardando, que horários são sempre para serem cumpridos e em contrapartida eu também não aprendi a esperar. É uma corrida contra o tempo, o tempo inteiro e nem sempre ele está ao nosso favor. Uma corrida quase sempre de aprendizados, saber aguardar é o maior deles.

(mais…)

Leia mais...

A HISTÓRIA DA CLANDESTINIDADE NO TRANSPORTE INTERMUNICIPAL CHAMADO DE ALTERNATIVO

Por Gilson Nascimento*

Tempos atrás, ganhou espaço na mídia regional o episódio de um acidente de trânsito com mortes envolvendo um veículo que fazia transporte remunerado de pessoas entre municípios. Seria mais uma história de acidente de trânsito com morte, fato corriqueiro do dia a dia das estradas brasileiras, se não fosse à problemática do transporte clandestino de pessoas, que passo a analisar, para opinião do leitor, sob a ótica dos quatro personagens dessa história:

Primeiro os condutores clandestinos, chamados de alternativos; segundo, as empresas concessionarias do transporte público intermunicipais, legalmente constituídas; terceiro, os órgãos de fiscalização e em quarto as pessoas que precisam do transporte para mobilidade.

Nosso primeiro personagem, o profissional do Transporte “Alternativo Clandestino”, nasceu de uma nova realidade funcional, impulsionada pela recessão econômica, o avanço da tecnologia e a desqualificação da mão de obra gerando desemprego. Assim, observando a demanda existente, deixada pela lacuna do transporte de massa, vários pais de família (estima-se que na região aproximadamente 800 veículos), em sua grande maioria homens e mulheres de bem, se arriscam diariamente pelas rodovias do Estado, levando e trazendo pessoas de forma remunerada, garantindo o sustento de suas famílias, mesmo sabendo da ilegalidade e da clandestinidade desse serviço.

(mais…)

Leia mais...

TRANSPORTE POR APLICATIVO, REGULAMENTAR E FISCALIZAR OU IGNORAR?

Por Gilson Nascimento*

O serviço remunerado de transporte de passageiros por aplicativos ou outras plataformas de comunicação em rede, conhecido mundial através do seu aplicativo mais famoso, a Uber, uma das maiores inovações dos últimos anos, nasce da soma da necessidade de emprego de muitos pais e mães de família, impulsionado, pela ausência de um transporte público de qualidade com preço equilibrado, aliado ao desejo humano de mobilidade.

Foi reconhecido pela Lei Federal nº 13.640/2018, se transformado em uma startup de sucesso. Restando agora sair definitivamente do posto de transporte clandestino, junto aos munícipios, para adquirir o status e reconhecimento legal.

No ano de 2014, o Brasil assistiu a chegada da plataforma digital em formato de aplicativo que mudaria dali por diante, a dinâmica da mobilidade nos grandes centros urbanos. A Uber chega ao país prometendo comodidade ao usuário que desejava se movimentar com segurança, conforto e preço justo. Fazendo sugerir junto com ela não só os conflitos de mobilidade, mas também os de interesses econômicos, da concorrência de outros meios de transporte.

Em conversa com alguns motoristas por aplicativo de Itabuna, eles calculam que na cidade existam aproximadamente 800 profissionais cadastrados as diversas plataformas; porém ainda não existe o reconhecimento municipal, embora haja a possibilidade, conforme o Art. 11-A da Lei Federal nº 13.640/2018 que diz textualmente “compete exclusivamente aos Municípios e ao Distrito Federal regulamentar e fiscalizar o serviço de transporte remunerado privado individual de passageiros previsto no inciso X do art. 4º desta Lei no âmbito dos seus territórios.”

O Legislador, embora tenha outorgado poder para o munícipio regulamentar, no Art. 11-B da mesma lei, torna esse poder facultativo, ao mesmo tempo em que estabelece as condições para os motoristas. “O serviço de transporte remunerado privado individual de passageiros previsto no inciso X do art. 4º desta Lei, nos Municípios que optarem pela sua regulamentação, somente será autorizado ao motorista que cumprir as seguintes condições.”

Porém, mais a frente no Parágrafo único do mesmo instrumento normativo, isenta os profissionais do transporte por aplicativo de serem punidos e confundidos com transporte clandestino, enquanto o município não assumir seu papel legal de regulamentar. “A exploração dos serviços remunerados de transporte privado individual de passageiros sem o cumprimento dos requisitos previstos nesta Lei e na regulamentação do poder público municipal e do Distrito Federal caracterizará transporte ilegal de passageiros.” Então em nosso humilde entendimento, se o município não regulamentar não poderá fiscalizar.

Diante dessa problemática instalada em todos os grandes centros do país, onde o Transporte por aplicativo é uma realidade. No ano de 2019, quando tive a honra de ser o 1º Diretor da Autarquia de Mobilidade do município de Ilhéus, criamos um grupo de trabalho, com a presença do Sindicato dos Taxistas, associação das empresas de ônibus, Câmara de Vereadores, Prefeitura, Conselho de Transportes, Associação dos motoristas de aplicativo e o Ministério Público. Dessa reunião multidisciplinar foi construído o projeto de lei, que mais tarde deu origem a Lei Municipal nº 4050/19 que regulamentou, deu dignidade e respeito aos profissionais do transporte por aplicativo, sendo a primeira cidade do interior da Bahia a ter esse serviço regulamentado, ficando atrás somente de Salvador que regulamentou 02 meses antes.

*Bacharel em Administração – Especialista em Mobilidade Urbana e Trânsito – Pós-graduando em Administração e Direito Público

Leia mais...

SETEMBRO AMARELO: A IMPORTÂNCIA DE CUIDAR DA SAÚDE MENTAL DA CRIANÇA E DOS ADOLESCENTES

Dados da OMS (Organização Mundial de Saúde) mostram que, no mundo, a depressão entre crianças na faixa dos 6 aos 12 anos saltou de 4,5% para 8% na última década. O crescimento alarmante leva à outra consequência: o aumento dos suicídios. Informações da Secretaria de Gestão de Trabalho e de Educação na Saúde do Ministério da Saúde revelam que o suicídio é a segunda principal causa de morte entre jovens brasileiros de 15 a 24 anos de idade.

A Psicóloga Aline Barros, com foco no autismo, relata que crianças e adolescentes já passam por um processo de mudança natural, que causa diversas alterações comportamentais, quando isso acontece atrelado ao sofrimento psicológico que são causados pelos traumas de violência física e verbal, abuso sexual, abandono dos pais ou cuidadores, solidão, falta de afeto, fome, excesso de cobrança e excesso de atividade, bullying, baixa autoestima, frustações, excesso de tempo frente a eletrônicos, todos esses acontecimentos vai deixar sua saúde emocional fragilizada.

(mais…)

Leia mais...

A AVENIDA MANOEL CHAVES QUE TEMOS E A QUE QUEREMOS – PARTE 2

Por Gilson Nascimento*

Após a publicação da parte 01 desse artigo no sábado, 28 (Relembre), recebi várias mensagens e telefonemas elogiando e dando sugestões para resolver os inúmeros problemas de acessibilidade da Avenida Manoel Chaves. Resolvemos então escrever um contêiner de propostas ao poder publico, sugestionando o como deve ser a avenida que queremos.

Primeiro devemos esclarecer que o principio da prioridade na segurança viária, nos ensina que o mais fraco terá precedência sobre o mais forte. Isso não é somente uma exigência do Código de Trânsito, mas também uma política pública que obedece à LEI Nº 12.587, de 03 de janeiro de 2012 que Institui as diretrizes da Política Nacional de Mobilidade Urbana.

Portanto, o pedestre como parte mais frágil do nosso sistema de mobilidade terá prioridade nas nossas sugestões mesmo porque entendemos que na primeira etapa da requalificação da Avenida Manoel Chaves, os espaços das bicicletas e dos automóveis já estão bem definidos, pavimentados e mais ou menos sinalizados.

No primeiro trecho (do quarteirão após passarela do álcool até quarteirão do Batalhão) existem aproximadamente 1,3 km de extensão de pista dupla e espaço de calçada dos dois lados. Sendo que um dos lados quase não existem calçadas, obrigando os pedestres a se arriscarem entre os carros ou se apoderarem da hoje implantada ciclovia. Do outro lado, embora a existência da calcadas, estas estão bastante irregulares necessitando requalificação, com vários buracos e o meio fio muito rebaixado.

Chamo atenção, para os equipamentos pólo geradores de tráfego: Complexo Educacional do Estado, Vila Olímpica, Estádio Luís Viana Filho, Clube dos Servidores Municipais – Usemi, Lar Fabiano de Cristo, Colégio da Policia Militar, 15º Batalhão e Fábrica da Penalty. Necessário instalar equipamentos de proteção e redução de velocidade, visando dar segurança e acessibilidade aos alunos, desportistas, idosos, trabalhadores, pessoas com deficiência e comunidade em geral que utilizaram esses espaços. Sugiro a implantação de passagens elevadas nos locais de grande fluxo de travessia, como também lombadas eletrônicas para redução da velocidade.

No segundo trecho (15º Batalhão até o trevo da BR-101) existem aproximadamente 1,2 km de extensão de pista, com ausência de calçadas ou calçadas sem acessibilidade, ocupadas por oficinas, construções irregulares, extensão de comércios e até garagem para veículos, dificultando trânsito de pedestres e sem nenhuma condição para as pessoas de baixa mobilidade. Necessário nesse trecho uma verdadeira restruturação, onde o poder publico devera utilizar sua força coercitiva para resolver o problema.

Por fim, enquanto a Prefeitura não conclui a obra por completo, oportunizando a acessibilidade a todos, sugerimos uma ação educativa conjunta entre o Pelotão de Ciclistas da Guarda Municipal com Diretoria de Educação de Trânsito da Settran. A ideia é, que em caráter temporário, possa existir o compartilhamento da ciclovia. Onde os ciclistas utilizariam no fluxo correto da via e os pedestres no contra fluxo, ambos com atenção, velocidade reduzida e atendendo o principio básico da segurança no trânsito: ver e ser visto.

*Gilson Nascimento
Bacharel em Administração
Especialista em Mobilidade Urbana e Transito
Pós graduando em Administração e Direito Público

Leia mais...

SALVADOR GANHA LOJA CONCEITO DE PRODUTOS E SERVIÇOS NÁUTICOS

Velejar, remar, passear de lancha pelas ilhas, mergulhar são atividades em alta. No mar, com ar puro, sem aglomerações e em contato com a natureza, a procura por essas atividades náuticas cresceu muito em todo o mundo, desde que começou a pandemia. Para oferecer uma experiência completa aos praticantes de esportes náuticos, os empresários Wallace Hamilton Wicks e Agatha Wicks inauguram nesta quinta-feira, dia 9, na Bahia Marina, a Z6 Náutica Conceito, uma loja focada em produtos e serviços do setor, seja para o velejador, o dono de lancha, o praticante de remo ou Stand Up. A inauguração, para convidados, acontece das 18h às 21h, ao som do DJ Santz. Na ocasião, o navegador Aleixo Belov também estará autografando todos os seus livros, que retratam suas voltas ao mundo a bordo de um veleiro, e estão disponíveis na loja.

“A nossa proposta é reunir num só lugar tudo que é necessário para montar, consertar e até mesmo decorar uma embarcação ou casa de praia”, explica o casal de empreendedores, que também são velejadores. A primeira unidade da Z6 funciona há 21 anos na Marina e Estaleiro Aratu, criada por Wallace Hamilton Wicks por influência dos passeios de barco em família e do seu pai, um amante do mar.

(mais…)

Leia mais...

O LEMA DO INTEGRALISMO DE VOLTA À CENA POLÍTICA

Por José Cássio Varjão

Somos um grupo formado por trabalhadores, cristãos, pais e mães de famílias, que tem Deus, Pátria e Família como princípios.
Após uma viagem à Itália em 1930, o jornalista, escritor e político Plínio Salgado, conheceu e entrevistou Benito Mussolini, ficando impressionado com os ideais políticos defendidos pelo líder fascista e pelo cenário próspero que a Itália vivia.

No contexto do surgimento de regimes autoritários na Europa, em 7 de outubro de 1932, nasce a AIB – Ação Integralista Brasileira, um grupo de intelectuais e simpatizantes com aspirações fascistas, que defendia o nacionalismo, o corporativismo e o tradicionalismo religioso. Combatia os valores liberais e o socialismo e se diferenciava do fascismo italiano e do nazismo alemão, por abnegar a segregação racial. O lema da organização era: Deus, Pátria e Família. Se tornou partido político em 1934 e foi extinto por Getúlio Vargas, em dezembro de 1937.

Após o comício de João Goulart na Central do Brasil, em 13 de março de 1964, quando defendeu reformas de base do seu governo, organizações femininas compostas por mulheres das classes média e alta das sociedades paulistana e carioca, financiadas e organizadas por um poderoso aparato da elite empresarial e militar, foram para as ruas em protesto no dia 19 de março de 1964. A CAMDE (Campanha da Mulher pela Democracia) era a instituição que representava as mulheres cariocas e a UCF (União Cívica Feminina) e o MAF (Movimento de Arregimentação Feminina), representavam as paulistanas e tinham o papel de influenciar a opinião pública contra o governo de João Goulart. Essa ação se chamou: “Marcha da Família com Deus pela Liberdade”.

(mais…)

Leia mais...

A AVENIDA MANOEL CHAVES QUE TEMOS E A QUE QUEREMOS – PARTE 01

Por Gilson Nascimento*

Desde o início das obras de modernização e requalificação da Avenida Manoel Chaves, no bairro são Caetano em Itabuna, venho observando nas redes sociais vários tipos de opiniões e manifestações. Umas elogiando e dando o crédito e mérito pelo avanço aos preceitos da mobilidade, outras criticando pela ausência de equipamentos e ferramentas para atender o que preconiza o estudo da mobilidade urbana.

Assim, municiado das mais diversas opiniões e críticas, me predispus a tirar uma tarde para observar, amiúde, o que temos e o que queremos. Certamente, o projeto dessa avenida, depois de concluída obedecendo aos princípios da mobilidade urbana, será modelo para várias outras avenidas de Itabuna no respeito aos espaços dos diversos moldais de transporte.

Primeiro, de posse dos ensinamentos da professora titular da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB) Drª. Peolla Paula Stein, onde em umas das suas brilhantes palestras, trouxe a baila dados científicos do Observatório Nacional da Mobilidade Urbana, revelando que 70% das pessoas se locomovem a pé ou de bicicletas. Mas na engenharia de tráfego, 80% das vias são construídas para os carros, restando apenas 20% para os pedestres e ciclistas, sendo que desses 20% as bicicletas correspondem a apenas 2%.

Com estas informações, é fácil identificar que a Avenida Kennedy, antes do início da obra, possuía essas características, ou seja, tínhamos uma avenida com 80% para os carros e 20% para os pedestres e 0% para as bicicletas. Após a conclusão da primeira etapa (trecho da passarela do álcool até o trevo para a BR-101) a população de Itabuna ganhou aproximadamente 4,7 km de ciclovias.

A conta é simples: O trecho da 1ª etapa da obra tem, segundo o Google Earth, aproximadamente 2.350 metros de extensão, com duas vias largas e canteiro central dividindo. Essa topografia possibilitou a engenharia de trânsito, projetar e executar a ampliação do canteiro central da avenida em 1,5 metros de cada lado, retirando espaço ocioso dos veículos e fazendo nascer ali o maior trecho de ciclovia existente em Itabuna, aproximadamente 4.700 metros. Sem dúvida, um grande avanço para a mobilidade das pessoas que utilizam esse importante modal como meio transporte para trabalho e para esporte e lazer.

Porém, segundo o Psicólogo norte americano Abraham Harold Maslow, criador da Teoria da Hierarquia das necessidades humanas em 1954, quando uma categoria de necessidade se concretiza, aparecerá outra e mais outra, de acordo com a evolução social e cultural dos indivíduos.

E estamos assistindo essa evolução da sociedade Itabunense. A obra ainda não conclusa e com vários problemas a serem resolvidos, já fez nascer nas pessoas o sentimento de pertencimento do espaço público. Revelando o verdadeiro conceito de mobilidade: fazer o trânsito pensando nas pessoas e não nos veículos. Portanto parabéns ao Prefeito Augusto Castro e sua equipe de engenharia.

No próximo artigo falaremos dos problemas de acessibilidade e a disputa pelos espaços, onde daremos sugestões para ver Itabuna cada vez melhor de se viver.

*Bacharel em Administração / Especialista em Mobilidade Urbana e Transito / Pós graduando em Administração e Direito Público

Leia mais...

“MEU CORAÇÃO É POVÃO!”

Ontem fui surpreendida com a morte do publicitário Duda Mendonça. Apaixonada por gente e grandes histórias desde sempre, lembrei dos tempos da faculdade, quando tinha acesso à internet apenas na biblioteca da Universidade Tiradentes, em Aracaju, e escrevia seu nome no Google quase todos os dias para me atualizar da sua vida profissional. Li seu livro, Casos & Coisas, presente do meu irmão Mucio, mais de dez vezes. Não dou, não empresto, e ainda o folheio sempre!

Duda Mendonça é um dos maiores nomes da comunicação do nosso país. Um cara que enxergava os sentimentos das pessoas e entendeu que a emoção era a alma da publicidade e da propaganda, inclusive política. Para muitos, um manipulador nato. Para outros, um cara inteligente e ponto. Para esta que vos escreve, uma mente rara, capaz de pensar por ele, por seus clientes e por toda uma nação. E a história do nosso país prova isso, porque ele, nos bastidores, fez parte de uma virada de chave nacional: a eleição de Lula, sindicalista e metalúrgico, pobre e tido por muitos como louco, após três tentativas frustradas, Presidente do Brasil!

(mais…)

Leia mais...

MULHERES, POLÍTICA & PODER

Começo esta coluna com um pedido simples: Abram alas para elas passarem! Rebeca Andrade, Rayssa Leal, Simone Biles, Rosamaria, Ana Marcela Cunha, Bia Ferreira e demais timaços! Elas, as mulheres que dominaram os nossos olhares nas Olimpíadas de Tóquio! E eu jamais faria uma lista apenas de brasileiras quando a norte-americana Simone Biles, apontada por especialistas como uma das atletas mais promissoras para a competição, teve uma atitude histórica: deixou de lado três finais para priorizar sua saúde mental.

Sua atitude me fez lembrar da professora e pesquisadora da Universidade de Houston, autora de quatro best-sellers do The New York Times, Brené Brown. Estudiosa do comportamento humano há mais de vinte anos, ela escreve sobre a coragem, a vulnerabilidade, a vergonha e a empatia. “Fique na sua integridade, independentemente da situação”, disse em conferência histórica no Dia Internacional da Mulher. E nós, mulheres, sabemos quão árduo tem sido caminhar até aqui.

(mais…)

Leia mais...

ACONTECÊNCIAS #09

Por Josias Miguel*

PARQUE DE EXPOSIÇÕES DE ITABUNA

O Parque de Exposições Agropecuárias de Itabuna Antônio Setenta, se transformará a partir de agora em parque de eventos da cidade, com funcionamento permanente, inicialmente durante os finais de semana, com abertura prevista para 03 de setembro próximo, com atividades de fomento ao agronegócio, comércio, serviços e entretenimento para a família grapiúna. Será livre o acesso ao Parque, com os devidos cuidados quanto à segurança dos frequentadores.

Com arranjo entre a Prefeitura Municipal de Itabuna, Governo da Bahia e Agência de Desenvolvimento do Sul da Bahia – AGESUL, entidade arrendatária do Parque, com apoio das entidades FAEB/SENAR, ADASB, CDL, ACI, SINDICOM, Clubes de Serviços e demais componentes da sociedade organizada, o Parque Antônio Setenta será palco da volta da Exposição Agropecuária e Feira de Negócios de Itabuna – EXPOFENITA, de 24 a 28 de novembro próximo. O evento será oficialmente lançado nesta quinta-feira, 12, durante um café da manhã no Palace Hotel.

Apesar de que os eventos no Parque serão realizados a céu aberto, a organização estará tomando todos os cuidados recomendados pela Organização Mundial de Saúde, Legislações do Estado e do Município frente ao combate ao Corona-Vírus 19.

Os veículos de comunicação terão ao seu dispor Sala da Imprensa com acesso livre à Internet, com apoio da provedora VOX.

Os interessados em participar da EXPOFENITA poderão buscar maiores informações através do e-mail: admnistraçã[email protected]

POLÍTICA DE ILHÉUS

Lá pelas terras da Gabriela, o imbróglio de quem assumirá a Superintendência de Transporte, Trânsito e Mobilidade – SUTRAM, continua. Fruto de acordo para dar apoio em Itabuna a Soane, primeira dama de Ilhéus, pré-candidata a Deputada Estadual, com compromisso assumido pelo Prefeito Marão, Coronel Serpa deveria ter sido empossado no comando da autarquia se não fosse a rebeldia do Vice-Prefeito Bebeto. Na dura missão de levar seu filho Maurício Galvão a assumir o mandato de Vereador, o Vice Prefeito botou o pé na parede e indicou o Vereador Cesar Porto para o cargo abrindo assim a cadeira na Câmara.

A pergunta, que ainda não tem resposta certa, é o que vale mais, o apoio de Serpa para Soane em Itabuna ou a paz reinar entre o Prefeito e o Vice Bebeto. Pelo andar da carruagem Serpa já foi fritado faltando apenas esfriar a banha. Para Serpa a missão de arranjar votos para Soane, de Ilhéus, em Itabuna seria tarefa difícil, primeiro porque o bairrismo seria forte impeditivo e segundo porque a primeira dama daqui, Andrea Castro, também pré-candidata a deputada estadual, tem se revelado ótima buscadora de votos e conta com os resultados positivos da própria gestão à frente da Secretaria de Promoção Social e Combate a Pobreza e do marido Prefeito Augusto Castro na administração do Município.

*Articulador e Marqueteiro Político

Leia mais...

AS AÇÕES DE PADRE JÚLIO LANCELOTTI NA CRACOLÂNDIA: UMA RELAÇÃO DE AMOR, EXEMPLO E DOAÇÃO

A paróquia de São Miguel Arcanjo, na zona Leste de São Paulo é administrada em todos os âmbitos pelo Padre Júlio Renato Lancellotti. A maneira que o Padre Júlio e os fiéis da igreja dedicam-se a população que vive em extrema pobreza tornou-se um exemplo de fé e doação. Explorando o cotidiano do sacerdote nas redes sociais, observarmos o modo peculiar de enxergar a face de Cristo naquelas pessoas que têm fome, frio, sede e vícios em drogas.

Rotineiramente o Padre Júlio publica fotos em suas redes sociais com frases como por exemplo, “encontrei Jesus e ele estava com fome” ao lado de pessoas em vulnerabilidade social. Se pararmos para analisar, essa perspectiva de viver o evangelho conhecendo Cristo nas pessoas que não conhecemos com sofrimentos inimagináveis sem a mínima condição de humanidade é uma premissa revelada pelo próprio Jesus quando disse: “Ame o próximo como a si mesmo”.

(mais…)

Leia mais...

REVITALIZAÇÃO DOS JORNAIS IMPRESSOS

Diante de tantas agressões e até assassinatos contra profissionais de imprensa, na Bahia, passando por longos meses de pandemia da Covid-19, a força da mulher sertaneja foi a fonte de inspiração das jornalistas premiadas com as reportagens “O Sertão é feminino”, de Fernanda Santana, e a “Pérola do Sertão” de Hilza Cordeiro, do jornal Correio da Bahia.

A notícia, logo pela manhã, foi “Correio vence Prêmio Semear Internacional de Jornalismo” e a boa notícia veio em dobro, foram duas jornalistas, duas matérias premiadas. A primeira que li naquele sábado, 31 de julho.

(mais…)

Leia mais...

FUTEBOL E ELEIÇÃO: A LÓGICA DO CONFRONTO NO DISCURSO POLÍTICO

Futebol e eleição são como uma caixinha de surpresas, tem suas próprias torcidas e estão profundamente ligados à nossa cultura e história. Usar analogias esportivas num discurso político, por exemplo, facilita a compreensão do público e são frequentemente usadas como forma de persuadir os eleitores.

Talvez por essa similaridade com o esporte, vemos na sociedade brasileira pautas políticas sendo tratadas como um Fla x Flu. Contudo, uma análise nos discursos proferidos por líderes políticos, revelam muito mais do que apenas a mensagem dita, mas nos permite observar o direcionamento ideológico de quem emite a mensagem.

(mais…)

Leia mais...