Ieprol – Matrículas Abertas – Desktop Mobile
Plansul – 31 anos – Desktop/Mobile
AACRRI – Reconstrução PIX – Desktop/Mobile
Buerarema – Fevereiro Roxo e Laranja – Desktop/Mobile
Itajuípe – Dengue Novo – Desktop/Mobile

ITABUNA: HOSPITAL MANOEL NOVAES FAZ CIRURGIA EM BEBÊ PARA CORREÇÃO DE ATRESIA DE ESÔFAGO

Moradora de Riacho de Santana, no sudoeste da Bahia, dona Alaine Almeida recebeu com alívio a comunicação dos médicos de que a sua pequena Luna, com poucos dias de vida, poderia deixar o Hospital Manoel Novaes, em Itabuna, e retornar para casa. A boa notícia foi dada depois que a criança se recuperou de uma cirurgia de correção de atresia esofágica, um defeito congênito no qual o esôfago se estreia ou tem uma extremidade fechada.

A riachense Alaine Almeida e a filha chegaram ao Hospital Manoel Novaes no dia 26 de maio, depois de embarcarem numa UTI aérea, no município de Guanambi, com destino ao sul da Bahia. A mãe da paciente se recorda que desceram da aeronave em Ilhéus seguiram para Itabuna numa UTI terrestre. Dona Alaine Almeida afirma que viajou mais de 600 quilômetros com a convicção de que resolveria a complicação de saúde da filha.

O procedimento foi realizado, com sucesso, pelos médicos Ronaldo Garcia e Camila Oliveira. Os profissionais explicam que a atresia esofágica é uma estrutura do esôfago, órgão que liga a boca ao estômago. A malformação congênita impossibilitava a alimentação e desenvolvimento do bebê. Por isso, a intervenção cirúrgica era necessária.

A médica e diretora técnica do Hospital Manoel Novaes, Fabiane Chávez, explica que o caso de Luna foi desafiador para toda a equipe porque, além da atresia de esôfago (uma patologia de difícil manejo), a bebê tem cardiopatia congênita associada, o que agravou mais ainda o seu quadro.

GRAVIDEZ DE ALTO RISCO

Alaine Almeida conta que teve uma gravidez de alto risco e, por isso, o parto foi realizado em Guanambi. “Foi uma gravidez muito complicada, de alto risco. Quando ela nasceu, eu achei que todo o sofrimento durante a gestação estava acabando, mas estava enganada. Minha filha nasceu com atresia esofágica, malformação que eu não conhecida”, conta.

Como o hospital de Guanambi não realizava o procedimento, a paciente foi incluída no Sistema de Regulação da Secretaria de Saúde de Bahia (Sesab) e enviada para o Hospital Manoel Novaes. “Fomos de avião até Ilhéus. Uma ambulância da Santa Casa nos trouxe de lá para cá. Todo o processo foi muito difícil. Eu não desejo uma situação dessa para ninguém. Mas superamos”, afirma.

A mãe da pequena Luna aprovou o trabalho dos médicos e acompanhamento diário dos profissionais da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Manoel Novaes, onde a filha ficou internada por cerca de 30 dias. “Fui muito bem acolhida aqui. Eu chorava todos os dias. Recebi o apoio das enfermeiras e os demais profissionais. Foi muito importante porque eu ficava 24 horas no hospital”, conta.

Para Alaine Almeida, o hospital funcionou como uma segunda família no período em que a criança esteve internada. “Eu moro muito longe e, por isso, não tínhamos como receber visitas de familiares aqui. Esse apoio dos profissionais foi muito importante. Essa convivência, eu levarei para o resto da vida”, destaca.

A Unidade de Terapia Intensiva Neonatal (UTI Neonatal) do Hospital Manoel Novaes disponibiliza 32 leitos, dois quais 21 caracterizados como de alto risco e 11 leitos de cuidados intermediários.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.