Ieprol – Matrículas Abertas – Desktop Mobile
Plansul – 31 anos – Desktop/Mobile
AACRRI – Reconstrução PIX – Desktop/Mobile

JOSÉ MILITÃO PAIVA, AO CAFÉ IPOLÍTICA: “FAZER A GESTÃO DE PARTIDOS REQUER MUITO CUIDADO”

A figura de presidente de partido, especialmente nos diretórios municipais, ganha especial relevância no encaminhamento das candidaturas de suas legendas.

O contabilista eleitoral José Militão Paiva participou, na edição do último sábado, 15/06, do programa de rádio Café iPolítica na Boa FM 96.1 e conversou com os âncoras Ricky Mascarenhas e Naty Almeida, sobre prestação de contas partidárias.

Segundo o contabilista, o maior responsável pela prestação de contas de um partido é o seu presidente, que dá conta de todos os investimentos que foram feitos com os valores do fundo partidário.

Ele lembrou que a questão é tão sensível que pode impedir candidatos e candidatas de uma determinada legenda de prosseguirem com suas candidaturas. Em Itabuna, por exemplo, até esta segunda-feira, 17/06, legendas como PSOL e Avante estavam com inconsistências em suas prestações de contas, situação que, segundo Militão, já foram resolvidas diretamente na Justiça Eleitoral em Salvador.

Militão lembrou ainda que a prestação de contas é uma fase importante do processo eletivo, demonstrando-se à luz do ordenamento jurídico que os partidos, como personalidades jurídicas que são, estão em dia com o dinheiro disponibilizado para as campanhas partidárias.

“Fazer a gestão dos partidos requer muito cuidado”, pontuou observando inclusive que existe uma diferença entre prestação de contas partidárias e prestação de contas eleitorais. Também falou sobre a importância das convenções, quando da aproximação do pleito eletivo, em que cada legenda escolhe seus candidatos e números.

O contabilista foi questionado ainda sobre investimentos na chamada “pré-campanha”, no que foi esclarecido que os gastos com pré-campanha não devem ultrapassar 10% dos valores que se pretende investir na campanha propriamente dita.

“Os dirigentes estaduais já estão em contato com os dirigentes municipais para organizar a distribuição das verbas de campanha. Se um candidato quiser gastar 100% da verba com gráfica, pode. Mas se for com outros itens como alimentação, não. Lembrando que, por exemplo, ele não pode se esquecer que vai precisar de gente para distribuir o material [de gráfica, no caso]”, concluiu.

https://www.instagram.com/reel/C8SqU6RyInm/?igsh=MTlrNDJtcHN1aWIydA==

Em tempo, em 2024, a campanha eleitoral propriamente dita será iniciada no dia 16 de agosto.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.