Ieprol – Matrículas Abertas – Desktop Mobile
Plansul – 31 anos – Desktop/Mobile
Buerarema – Fevereiro Roxo e Laranja – Desktop/Mobile
AACRRI – Reconstrução PIX – Desktop/Mobile
Itajuípe – Dengue Novo – Desktop/Mobile

MA FIGUEIREDO FALA DA DOR E A DELÍCIA DE SER O QUE É: “QUEM VÊ CLOSE, NÃO VÊ CORRE”

 

A empresária, influencer digital, mulher trans e, agora, pré-candidata a vereadora de Ilhéus (primeira mulher trans nessa condição), Ma Figueiredo, participou, nesta terça-feira, 14/05, do podcast ‘Café, Prosas e Vinhos Por Elas’, com Larissa Moitinho.

Figueiredo compartilhou sua história de vida até chegar à decisão de adentrar mais objetivamente os meandros da política ilheense. Contou das dificuldades da infância, especialmente num cenário de violência contra a mulher (no caso, do seu pai para com sua mãe) e dele para com ela, por não entender que a filha não era o ideal de “filho” que ele esperava ter. Falou do apoio que recebeu dos avós e de como se tornou a empresária bem-sucedida que é hoje.

Disse da importância dos estudos (atualmente, formada em Odontologia), mas falou que os desafios de enfrentar uma sociedade preconceituosa e despreparada para lidar com o diferente veio desde os primeiros anos da vida escolar. “Um colega me mordeu por eu ser diferente. Essas situações marcam”, desabafou.

Moitinho lembrou que o tema do programa (“Mulheres na Política”) feito especialmente com a primeira candidata trans de Ilhéus marca a passagem do 14 de maio como o Dia Internacional Contra Homofobia, Transfobia e Bifobia.

Ma Figueiredo falou, então, do seu projeto de pré-candidatura e de sua principal bandeira de campanha, a luta pela garantia dos direitos humanos.

Nessa perspectiva, falou das inúmeras pessoas trans que são invisibilizadas pela sociedade. “Me orgulho de ser a primeira trans a entrar nessa luta, nessa batalha”.

Disse do seu trabalho social em Ilhéus, iniciado antes mesmo da decisão de entrar na política, de como se transformou em referência para muitas outras mulheres e do porquê da escolha do Solidariedade para percorrer esse caminho. Não deixou de falar também da importância da terapia nesse processo. “Terapia salva”, pontuou.

Ao final, no Quadro das Plaquinhas, foi convidada a avaliar não só personalidades do cenário ilheense, mas artistas consagrados pelo público LGBTQIAPN+, instituições e lideranças políticas, entre os quais entidades como os grupos Eros e Lesbos (de Ilhéus), Humanus (de Itabuna), o prefeito Mário Alexandre (PSD), as cantoras Pablo Vittar, Anitta e Preta Gil e o trabalho da Secretaria Municipal da Saúde de Ilhéus no tocante às políticas e cuidados das mulheres trans.

Encerrou revelando que aquela era a primeira vez que concedia entrevista à um podcast, não sem deixar de lado questões sociais importantes como a da violência contra a mulher e como enxerga o atual cenário político da cidade, fechando com a frase que marcou a entrevista: “Quem vê close, não vê corre!”.

O podcast ‘Café, Prosas e Vinhos Por Elas’ vai ao ar todas as terças, às 19h30min, no canal iPodcasTV, no You Tube, onde quem não pôde assistir a entrevista ao vivo, pode fazê-lo sob demanda. O apoio é da Soluz, Colégio Ieprol, do Supermercado Leal, Leal Classic Hotel, UNEX – Universidade de Excelência, Fabricante e Distribuidora de Bebidas Coroa, Energético Bad Wolf e Boteco Gaúcho.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.