Ieprol – Matrículas Abertas – Desktop Mobile
Plansul – 31 anos – Desktop/Mobile
AACRRI – Reconstrução PIX – Desktop/Mobile

PRESIDENTE E PREFEITOS DO CIMA PARTICIPAM DA XXIV MARCHA A BRASÍLIA EM DEFESA DOS MUNICÍPIOS

Com o tema: pacto federativo um olhar para o futuro a marcha reúne prefeitos de todo o país e mais uma vez os prefeitos do Consórcio Intermunicipal da Mata Atlântica (CIMA) participam das discussões que norteiam o planejamento das políticas públicas a serem implementadas no país.

O maior evento municipalista do país conta com a presença do vice-presidente da república Geraldo Alckmin e de ministros que puderam falar sobre as ações de cada pasta,mas principalmente ouvir as dores vivenciadas nos municípios onde de fato as políticas públicas são implementadas.

Durante o painel temático voltado para os consórcios públicos, o CIMA foi referenciado como exemplo de ações exitosas como a Copa Cacau CIMA e a preparação dos municípios consorciados quanto a adesão ao programa Minha Casa Minha Vida. “Ficamos felizes em termos nosso trabalho reconhecido e isso só é possível pela luta continua dos nossos prefeitos”, enfatizou o presidente Antônio Valete.

Entre as pautas o E-Social, obras inacabadas, meio ambiente e gestão ambiental, desenvolvimento rural, habitação e planejamento territorial, sistema nacional de cultura, finanças, financiamento da educação, censo entre outras. Na oportunidade, os prefeitos do CIMA elencaram os atuais problemas, em especial, a preocupação com o E-Social.

De acordo com o presidente Antônio Valete, caso não seja encontrada uma solução a curto, médio e longo prazo os municípios poderão entrar em colapso. “Os valores devidos ao INSS ao longo de décadas está sendo cobrado agora e com isso, mais de trinta e cinco porcento dos recursos municipais estão comprometidos, prejudicando as políticas públicas municipais e a qualidade de serviços básicos como saúde e educação, assistência social, entre outros. Infelizmente muitas prefeituras começaram a readequar o seu quadro de colaboradores a nova realidade municipal o que implica também na redução do quadro de funcionários e contenção de despesas tendo em vista que o não pagamento do E-Social pode ter como consequência sequestro de recursos direto na fonte o que seria ainda pior para os municípios”.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.