Plansul
FICC
CVR
Buerarema
COLÉGIO JORGE AMADO
Pref ilheus junho
Ieprol

QUAL A VERDADEIRA DIMENSÃO DO CASO AMERICANAS?

Por Jeffiton Ramos

O caso Americanas poder ter um efeito sísmico no mercado de varejo com maior amplitude do que se imagina. A não detecção por parte da PWC, seja lá por que motivos foram (o que será examinado em um dos processos abertos pela CVM), mitiga um dos poucos instrumentos que se podia confiar em uma avaliação de risco financeiro empresarial, que são os relatórios proferidos por empresas de auditoria independente.

Vemos lançado, pois, dúvidas sobre um mercado bilhonario que envolve players que vem alavancando esse setor. E não estou falando das formas de financiamento tradicionais. Me refiro aqui ao mercado de Built to Suit, queridinho dos Fundos Imobiliários, pulverizado em dezenas de milhares de investidores pessoa física.

Um frio na espinha deve ter percorrido os Gestores desses Fundos Imobiliarios, ao perceberem que a avaliação dos relatórios de consultoria independente externa, que servem de base para assinatura desses contratos de longo prazo e com muitos zeros, podem não ter detectado algumas “inconsistências contábeis”, e que certamente poderiam influenciar o resultado financeiro (o risco) da empresa contratante da operação de Built to Suit.

E preciso estar atento, e sim, rever números das operações já realizadas, para evitar surpresas indesejáveis e prejuízos financeiros irreversíveis. E para aqueles que entendem que o caso Americanas seria um fato isolado, uma “fatalidade contábil”, lembramos os casos análogos da ENRON e WIRECARD, e que envolvem “falhas” de duas gigantes em auditoria mundo, nos referindo aqui a Arthur Andersen e a Ernest & Yong.

*Advogado e CEO da Particip Invest

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.