Ieprol – Matrículas Abertas – Desktop Mobile
Plansul – 31 anos – Desktop/Mobile
AACRRI – Reconstrução PIX – Desktop/Mobile
Buerarema – Fevereiro Roxo e Laranja – Desktop/Mobile
Itajuípe – Dengue Novo – Desktop/Mobile

SEIS MESES DEPOIS, STEFANI FIRMO FALA SOBRE RECUPERAR A AUTOESTIMA: “NÃO CONSEGUIA ME OLHAR NO ESPELHO”

A estudante Stefani Firmo, de 24 anos, ainda tenta se recuperar do trauma sofrido ao ter o rosto cortado enquanto dormia, durante uma viagem de ônibus de Recife, em Pernambuco, para Salvador (Relembre). O caso ocorreu na madrugada do dia 29 de novembro, e completa seis meses nesta segunda-feira (29). Ela recebeu 18 pontos no rosto.

Stefani Firmo, que tinha 23 anos na época, foi agredida quando o coletivo passava pelo município de Conde, no litoral norte da Bahia. As imagens de câmeras de segurança do ônibus mostraram o momento em que uma passageira se levanta e se aproxima da vítima, que depois sai pedindo por socorro.

Jovem quando teve rosto cortado durante viagem em ônibus na Bahia — Foto: Arquivo Pessoal.
Jovem quando teve rosto cortado durante viagem em ônibus na Bahia — Foto: Arquivo Pessoal

Após o ataque, a polícia apreendeu uma faca que estava com uma passageira sentada na frente da vítima. O objeto foi enviado para a perícia, a passageira foi identificada e responde em liberdade por lesão leve.

Até o momento, a estudante baiana não teve contato com a suspeita do crime. Ela também não sabia que a mulher tinha assinado um Termo Circunstanciado de Ocorrência. “Eu não tenho nenhuma informação sobre ela, se já encontraram e buscaram para depor novamente. Não tenho notícia”, contou.

Conforme a estudante, a sensação que ela tem é de impotência, já que nada foi feito com a pessoa que a agrediu. “Depois de seis meses, eu acredito que o mínimo que deveria ser feito era essa mulher estar presa, já que tem tudo que prova que foi ela”, disse.

Recuperação da autoestima

Stefani Firmo afirmou que tem tido uma boa recuperação, mas que avalia a necessidade de fazer um procedimento estético no rosto. “Eu estou tendo uma ótima cicatrização graças aos cuidados que tenho. Hoje está bem mais tranquilo. No início do ano, eu não conseguia nem me olhar no espelho”, afirmou.

Em janeiro deste ano, a estudante estava bastante abalada com a situação, porque a marca da cicatriz era mais evidente. A estudante acredita que o processo de recuperação da autoestima é processual e vai levar alguns anos.

“Nesse período eu tive oscilações no emocional, não conseguia parar de chorar, era como se eu tivesse perdida. Mexeu muito com minha autoestima, mas com a evolução da cicatrização passei a ficar mais confortável”, revelou. As informações são do G1.

Logo após o atentado, no início do processo de recuperação, Stefani concedeu entrevista exclusiva ao iPolítica Bahia. Reveja abaixo:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.