Plansul
COLÉGIO JORGE AMADO
Buerarema
Pref ilheus junho
Ieprol
Navegação na tag

CPI da Pandemia

LIRA DIZ QUE É INACEITÁVEL PEDIDO DE INDICIAMENTO DE DEPUTADOS FEITO PELA CPI DA PANDEMIA DO SENADO

O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), criticou nesta quarta-feira (27), durante a sessão do Plenário, o relatório da CPI da Pandemia do Senado. “Para mim, é motivo de grande indignação como presidente da Câmara e como cidadão brasileiro tomar conhecimento das conclusões encaminhadas pelo relator da CPI da Covid do Senado Federal. É inaceitável, repito, inaceitável a proposta de indiciamento de deputados desta Casa no relatório daquela comissão parlamentar de inquérito”, disse.

O relatório aprovado nesta terça-feira, por 7 votos a 4, propõe o indiciamento de cerca de 80 pessoas, entre elas o presidente da República, Jair Bolsonaro, e os deputados Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), Carlos Jordy (PSL-RJ), Ricardo Barros (PP-PR) e Osmar Terra (MDB-RS).

A proposta, segundo Lira, “fere de morte os direitos e garantias fundamentais”, porque os deputados e senadores são, pela Constituição, invioláveis civil e penalmente por quaisquer de suas opiniões, palavras e votos. Lira afirmou que vai analisar o teor do relatório final de forma minuciosa para garantir a liberdade de expressão e imunidade parlamentar e a dignidade do exercício do mandato. (mais…)

Leia mais...

CPI DA PANDEMIA CONCLUI DEPOIMENTOS E MARCA PARA QUARTA-FEIRA A LEITURA DE RELATÓRIO

No último depoimento antes do fim dos trabalhos, a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia do Senado ouviu, nesta terça-feira (19), o representante do Conselho Nacional de Secretarias Municipais de Saúde (Conasems) na Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias do Sistema Único de Saúde (Conitec), Elton da Silva Chaves.

O depoente disse que os membros da Conitec – órgão ligado ao Ministério da Saúde e responsável pela constituição ou alteração de protocolos clínicos e diretrizes terapêuticas de saúde – ficaram surpresos com a informação, às vésperas da análise, de que o relatório contrário ao uso ambulatorial do chamado kit covid em pacientes no Sistema Único de Saúde (SUS) havia sido retirado da pauta da reunião do último dia 7. O conjunto de medicamentos não tem comprovação científica de eficácia para a covid-19.

Chaves confirmou que a decisão de retirar o estudo de pauta foi tomada a pedido do pneumologista Carlos Carvalho, que é coordenador do grupo elaborador do relatório, apesar de os integrantes da Conitec terem recebido antecipadamente o documento técnico que seria analisado. “Nós nos surpreendemos com a manifestação do doutor Carlos Carvalho e pedimos justificativas plausíveis para o pedido de retirada de pauta. Estávamos ansiosos e na expectativa de já analisar esse documento. Há uma expectativa dos gestores de ter uma orientação técnica para que a gente possa organizar os serviços e orientar os profissionais na ponta. Por isso, nossa surpresa”, destacou. (mais…)

Leia mais...

MÉDICOS E PESQUISADORES DEBATERÃO USO DE MEDICAMENTOS CONTRA A COVID-19 NA CPI DA PANDEMIA

Após consenso entre os senadores, a CPI da Pandemia terá duas reuniões para debate do tratamento contra a covid-19 com medicamentos como cloroquina e hidroxicloroquina. Para isso, foram aprovados nesta quarta-feira (26) uma série de convites que atendem a uma extensa lista de médicos, biólogos e outros especialistas na área.

Assim, os parlamentares querem ouvir quatro especialistas, sendo dois a favor, como defendem os governistas, e dois contra o uso desses medicamentos, desaconselhado pela Organização Mundial de Saúde, pela Disease Control and Prevention (CDC), dos Estados Unidos, e outras instituições de pesquisa e de saúde.

O tema tem sido bastante discutido durante os testemunhos prestados à CPI, pois dois dos ex-ministros da Saúde que deixaram o governo Bolsonaro — Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich — listaram entre as causas de suas saídas a pressão pela adoção do chamado “tratamento precoce” como política pública de saúde. O outro ex-ministro, Eduardo Pazuello, e o atual ministro, Marcelo Queiroga, negaram que o governo tenha promovido a distribuição de cloroquina para o combate à pandemia de covid-19.

(mais…) Leia mais...

SOBRE OS SUPOSTOS CRIMES COMETIDOS NA CPI DA COVID-19

A CPI da Pandemia foi instaurada a mando do ministro Luís Barroso em 8 de abril para apurar as atuações do Governo Federal para a contenção do vírus, após o segundo surto ocorrido no Estado do Amazonas em janeiro de 2021 (o primeiro havia ocorrido entre abril e maio do ano passado) em que na metade do mês já haviam sido registrados mais de 6 mil mortes.

O fato que levou o magistrado a ordenar a abrir a CPI foi a abertura de igrejas e a permissão de de realização de missas. O pedido de uma CPI foi feito pelos parlamentares Jorge Kajuru (Cidadania-GO) e Alessandro Vieira (Cidadania-SE). Segundo Barroso, em justificativa da sua decisão, ele disse que: “Trata-se de garantia que decorre da cláusula do Estado Democrático de Direito e que viabiliza às minorias parlamentares o exercício da oposição democrática. Tanto é assim que o quórum é de um terço dos membros da casa legislativa, e não de maioria. Por esse motivo, a sua efetividade não pode estar condicionada à vontade parlamentar predominante”, e complementou dizendo que: “Coerente com a minha visão de institucionalidade da Corte, tinha a intenção de submetê-la em mesa ao Plenário, na data de hoje. Infelizmente, a relevância e a extensão do julgamento relativo ao decreto restritivo de cultos religiosos durante a pandemia impediram que o fizesse. Observo, porém, que se trata, como demonstrado adiante, de mera reiteração de jurisprudência antiga e pacífica do Tribunal.”. Após a notificação, a CPI foi aberta (mesmo com muitas queixas dos aliados do governo, os quais tentaram impor todos os empecilhos para que a investigação  não ocorresse, inclusive, o deputado Flávio Bolsonaro dizendo que a abertura da CPI causaria aglomeração.

(mais…) Leia mais...

CARLOS BOLSONARO PODE SER INVESTIGADO NA CPI DA PANDEMIA INSTAURADA PELO SENADO

A existência de um possível ‘ministério paralelo da saúde’ pode ser investigada pela CPI da Pandemia que foi instaurada pelo Senado Federal. Segundo o requerimento apresentado, esse suposto ministério teria atuado junto ao governo federal na defesa de medicamentos sem eficácia comprovada contra a Covid-19.

O documento solicita também a quebra do sigilo do empresário Carlos Wizard e do vereador e filho do presidente Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ). Os pedidos foram assinados pelo senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), que sugere a quebra dos sigilos telefônico, fiscal, bancário e telemático do empresário e de Carlos. Além disso, o senador requereu também dados mantidos pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro.

A suspeita é de que o empresário Carlos Wizard seria um dos financiadores do ministério paralelo ao lado da médica Nise Yamaguchi, que tentaram alterar a bula da cloroquina por meio de decreto presidencial para incluir o medicamento no tratamento contra a Covid-19 no país.

(mais…) Leia mais...

“VAGABUNDO É VOCÊ QUE ROUBOU DINHEIRO DO PESSOAL DO SEU GABINETE”, DIZ RENAN CALHEIROS AO SENADOR FLÁVIO BOLSONARO AO SER INSULTADO NA CPI DA PANDEMIA

O clima pegou fogo nesta quarta-feira (12) na CPI da Pandemia no Senado Federal. Ontem, os senadores ouviram o ex-secretário de comunicação Fabio Wajngarten no intuito de compreender os fatos que trouxeram todo esse caos no país. Mais cedo, o senador Renan Calheiros (MDB-AL) havia informado que, caso o ex-secretário mentisse, ele pediria a prisão do mesmo, já que alguns relatos não condiziam com de depoimentos que antecederam o dele.

Com isso, o senador e filho do presidente Jair Bolsonaro, o Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) chamou Renan de vagabundo, após reagir as pressões dos senadores contra Wajngarten. “Imagina a situação, um cidadão honesto ser preso por um vagabundo com Renan Calheiros”, disse Flávio.

(mais…) Leia mais...

EX-SECRETÁRIO DE COMUNICAÇÃO DE BOLSONARO DIZ QUE GOVERNO FEDERAL RECEBEU CARTA DA PFIZER EM SETEMBRO DE 2020

O ex-secretário de comunicação do presidente Jair Bolsonaro está sendo ouvido nesta quarta-feira (12) pela CPI da Pandemia, no Senado Federal. Fabio Wajngarten foi incluído na comissão após uma entrevista à revista Veja, onde responsabilizou o ministro Eduardo Pazuello pela demora na compra de imunizantes da Covid-19, especificamente da farmacêutica Pfizer.

Wajngarten disse que o governo federal recebeu em 9 de setembro do ano passado, uma carta da farmacêutica, onde só foi entregue ao presidente no dia 12 do mesmo mês. No documento, o CEO da Pfizer informava sobre o interesse de negociação das vacinas, mas que, segundo o ex-secretário, foi orientado pelo ministro Paulo Guedes a só negociar quando o imunizante fosse aprovado pela Anvisa.

(mais…) Leia mais...

EX-MINISTRO DA SAÚDE NELSON TEICH PRESTA DEPOIMENTO NESTA QUARTA-FEIRA NA CPI DA PANDEMIA 

O segundo ministro de saúde do governo Bolsonaro, o médico Nelson Teich, vai prestar depoimento nesta quarta-feira (5) na CPI da Pandemia instaurada pelo Senado Federal. Teich é o segundo ministro a ser ouvido pela Comissão. O primeiro a prestar depoimento foi Luiz Henrique Mandetta.

Já o de Teich estava previsto para acontecer nesta terça-feira (4), porém precisou ser adiado devido aos questionamentos dirigidos para Mandetta. Teich assumiu a pasta entre 17 de abril e 15 de maio de 2020, logo após a saída de Mandetta do ministério. Quatro semanas depois, Teich foi substituído pelo general do Exército Eduardo Pazuello.

Leia mais...

“É MELHOR TOMAR UM COPO DE ÁGUA DO QUE UM COMPRIMIDO DE HIDROXICLOROQUINA”, AFIRMA SENADOR OTTO ALENCAR

O Senador baiano, Otto Alencar (PSD), afirmou que “não há a menor chance” da primeira sessão da CPI da Pandemia não ocorrer na próxima terça-feira (27).Em entrevista exclusiva ao CNN 360, Alencar disse que viajará para Brasília na segunda-feira (26) e no dia seguinte abrirá a sessão que vai escolher os membros da comissão.

Ainda na entrevista, Otto Alencar, que é médico, teceu duras críticas ao Presidente da República, Jair Bolsonaro, sem partido e o ex-ministro da Saúde, Eduardo Pazuello em relação ao tratamento precoce da Covid-19.

“A ciência, a medicina e o conhecimento científico não podem se render a uma orientação de alguém que não entende absolutamente nada sobre medicina. O ministro Pazuello, infelizmente, seguiu muito a orientação do presidente da República naquela teimosia do tratamento precoce que não resolve absolutamente nada. É melhor você tomar um copo de água do que um comprimido de hidroxicloroquina”, afirmou.

Otto Alencar disse também que Pazuello, quando questionado por senadores sobre a compra de imunizantes, disse que só iria adquirir as vacinas se houvesse demanda.

Leia mais...