Cerveja Je assunção
uruçuca novo
Buerarema
Colégio Jorge amado
Plansul
Ieprol
Navegação na tag

Dengue

PREFEITURA DE ITACARÉ REALIZA AÇÕES DE COMBATE À DENGUE NA RUA DA FEIRA

Com a proposta de combater a dengue e conscientizar os moradores para que se juntem nessa luta contra o Aedes Aegypti, mosquito transmissor da doença, a Prefeitura de Itacaré, através da Secretaria de Saúde, realizou nesta quinta-feira (21) uma força tarefa na Rua da Feira, no centro da cidade, orientando como se proteger e evitar a proliferação do inseto.

Durante a ação os agentes comunitários de endemias reforçaram as mensagens educativas, distribuíram panfletos, aplicaram produtos e colaram cartazes alertando sobre os devidos cuidados que a comunidade deve tomar para evitar a dengue.

O prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio, destacou a importância de todos estarem juntos nessa luta para combater a dengue, daí a necessidade de realizar as campanhas educativas, visitas dos agentes de endemias aos bairros e distritos e a orientação à comunidade, principalmente nesse período do ano onde aumenta a proliferação do mosquito transmissor da doença. De acordo com o prefeito, novos mutirões, visitas e ações de combate à dengue serão realizadas durante todo o ano, como forma de garantir a proteção e a saúde de todos.

A Secretaria Municipal de Saúde pede a colaboração dos cidadãos e orienta que aproveitem esse período para observar o acúmulo de água parada em garrafas, vasos de plantas e pneus. Além disso, é preciso manter lixeiras tampadas e protegidas da chuva, assim como limpar os vasinhos de planta e vasilhas usadas para colocar água para animais, retirar água de plantas que acumulam água, limpar as calhas, manter caixas d’água e cisternas tampadas e descartar adequadamente objetos que acumulam água.

Leia mais...

AUMENTA PREOCUPAÇÃO COM DOENÇAS LIGADAS AO AEDES AEGYPTI NO VERÃO

Com a chegada do verão no Brasil e da chuva em diversas regiões, uma preocupação de saúde pública aumenta: o crescimento da circulação do mosquito Aedes aegypti e das doenças associadas a ele (chamadas de arboviroses urbanas), como dengue, zika e chikungunya.

Conforme o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde sobre o tema, lançado em dezembro, entre janeiro e novembro foram registrados 971.136 casos prováveis de dengue no Brasil, com 528 mortes. As maiores incidências se deram nas regiões Centro-Oeste (1.187,4 por 100 mil habitantes), Sul (931,3/100 mil) e Nordeste (258,6/100 mil).

No mesmo período, as autoridades de saúde notificaram 78.808 mil casos de chikungunya, com 25 óbitos e 19 casos em investigação. As maiores incidências ocorreram no Nordeste (99,4 por 100 mil habitantes) e Sudeste (22,7/100 mil). Já os casos de zika, até o início de novembro, totalizaram 7.006, com incidência mais forte no Nordeste (9/100 mil) e Centro-Oeste (3,6/100 mil).

Na avaliação do professor de epidemiologia da Universidade de Brasília Walter Ramalho, este é o momento de discutir o problema do Aedes aegypti e as medidas necessárias para impedir sua proliferação. O maior desafio é diminuir os focos de criação dele.

O Aedes está no Brasil há mais de 100 anos. Em alguns momentos, já chegou a ser erradicado. Mas nos últimos 30 anos o inseto vem permanecendo e, segundo o professor Ramalho, se adaptando muito bem ao cenário de urbanização do país e do uso crescente de materiais de plástico, que facilitam o acúmulo de água propício à reprodução do mosquito.

“Todos esses materiais, que podem durar muito tempo na natureza, podem ser criadouros do mosquito. A gente tem que olhar constantemente o domicílio, não somente na terra como nas calhas. Este é um momento do começo da chuva. Se não fizermos esse trabalho e se a densidade do mosquito for elevada, não temos o que fazer”, alerta o professor.

Ele lembra que não se trata apenas de um cuidado com a própria pessoa e sua casa, mas com o conjunto da localidade, uma vez que domicílios com foco de criação acabam trazendo risco para toda a vizinhança.

O professor da UnB acrescenta que o cuidado no combate aos focos não pode ser uma tarefa somente do Poder Público. Uma vez que qualquer residência, terreno ou imóvel pode concentrar focos, é muito difícil que as equipes responsáveis pela fiscalização deem conta de cobrir todo o território.

Ramalho destaca que as doenças cujos vírus são transmitidos pelo mosquito são graves. A dengue hemorrágica pode trazer consequências sérias para os pacientes.

“A zika causou microcefalia no Nordeste e em algumas cidades de outras regiões. E precisamos nos preocupar com a chikungunya. Ela causa sintomatologia de muitas dores articulares. Muitas pessoas passam dois, três anos sentindo muitas dores. Isso causa desconforto na vida durante todo esse período”, afirma.

Leia mais...

BAHIA EMITE ALERTA SOBRE AUMENTO DE 94% DOS CASOS DE DENGUE EM 2019

O número de casos de dengue, doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti, cresceu 94,1% em 2019, se comparado ao mesmo período de 2018, que registrou 204 casos. Este ano, do dia 1º ao dia 18, foram notificados 400 casos da doença, em 55 municípios. Por conta do risco de surtos e epidemias, a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep), da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), divulgou um alerta para os municípios baianos, voltado para os profissionais de saúde.

As orientações, além de contemplar os casos de dengue, incluem as outras arboviroses (zika e chikungunya) também transmitidas pelo Aedes aegypti. Entre as recomendações da Divep voltadas para as equipes de saúde estão: alertar os profissionais para suspeição dos sinais e sintomas compatíveis com as arboviroses, bem como mobilizar equipes de saúde para medidas de prevenção e controle.

Além disso, o alerta ressalta a necessidade de fortalecer e alinhar comunicação entre as equipes de atenção à saúde, vigilância epidemiológica e controle vetorial; intensificar as ações de controle vetorial nas áreas com registro de casos suspeitos ou confirmados de arboviroses e/ou elevados Índices de Infestação Predial (IIP); monitorar semanalmente os casos, mapeando áreas de risco e adotar medidas de controle capazes de reduzir o número de casos

Também será intensificada a capacitação dos profissionais de saúde da rede pública a fim de aperfeiçoar o diagnóstico diferencial para zika em gestantes, priorizando as coletas de amostras nos cinco primeiros dias.

Combate ao mosquito

No fim de dezembro de 2018, a Sesab distribuiu 7,4 mil kits para serem utilizados pelos agentes de controle de endemias dos 417 municípios. Com investimento superior a R$ 2,6 milhões, cada kit é composto de 26 itens, como pesca larva, pipetas de vidro, tubos de ensaio, álcool, esponja, lanterna de led recarregável, bacia plástica, dentre outros materiais.

“Os agentes de controle de endemias têm um papel fundamental na eliminação de focos do Aedes aegypti, pois na visita aos imóveis, eles eliminam criadouros, orientam moradores e realizam mobilizações”, afirma o secretário da Saúde do Estado, Fábio Vilas-Boas.

O titular da Sesab ainda destaca que “construir uma estratégia agressiva de combate ao mosquito e controle dos agravos é fruto de um esforço conjunto do poder público, empresas e sociedade em geral, visto que mais de 80% dos focos estão dentro das casas”.

A distribuição desses kits se configura como um apoio essencial aos municípios, considerando que a maioria tem dificuldades para aquisição de bens e equipamentos, bem como escassez de recursos. “Os materiais e equipamentos adquiridos pela Sesab são todos padronizados pelo Ministério da Saúde”, acrescenta Vilas-Boas.

Leia mais...