Plansul
COLÉGIO JORGE AMADO
Buerarema
Pref ilheus junho
Ieprol
Navegação na tag

Mapa da Violência

FIQUE SABENDO: POLÍCIA CIVIL SOLIDÁRIA

O Sindicato dos Policiais Civis do Estado da Bahia – Sindpoc iniciou o projeto piloto na Região Sul do Estado denominado FIQUE SABENDO: POLÍCIA CIVIL SOLIDÁRIA, o qual é coordenado pelo Diretor Sindical e Policial Civil Roberto José, que também é professor e tem formação na área de gestão pública. Nesse sentido, explica Eustácio Lopes (Presidente do Sindpoc), o objetivo do referido programa é aproximar os policiais civis das comunidades (escolas, universidades e comunidades) através dos debates, palestras e rodas de conversas para debater temas importantes ligados a Segurança Pública e Violência Criminal, como uso de drogas (causas e consequências), violência urbana, os risco da flexibilização do porte/posse de arma de fogo, direitos da criança e do adolescentes (abusos e explorações sexuais, direitos e garantias), Direitos Humanos, Direito Ambiental, dentre outros temas.

Palestra “Os Riscos do Ciberbullying na Escola”, no Complexo Integrado de Educação de Itabuna) antigo Amélia Amado.
 

Segundo o Coordenador Geral, Roberto José, o Piloto do Programa já funciona em Itabuna há um ano aproximadamente, com dezenas palestras realizadas em escolas públicas, faculdades e instituições sem fins lucrativos (ONGs), nos diversos temas propostos, mas principalmente sobre violência criminal e as questões das drogas. Assim, enfatiza o coordenador, é preciso empoderar os jovens e a população sobre esses temas que afetam nosso cotidiano, e a única forma de empoderar é através da educação, com palestras e rodas de conversas. Aliás como diria o grande educador Paulo Freire “a educação não transforma o mundo, mas muda as pessoas e estas mudam o mundo!”, assim, enfatiza, precisamos melhorar o mundo que vivemos e a educação é a melhor arma no combate qualificado aos diversos tipos de violências da sociedade atual.

Palestra na Unime Itabuna: Flebilização do Porte/Posse de Arma de fogo.
 

Ainda, segundo Roberto José, o Programa está em fase de ajustes e começa a fase de formação e qualificação de policiais voluntários, de diversas regiões do Estados da Bahia, quando na oportunidade serão tratados os temas relacionados: as causas e as consequências que as drogas fazem na vida dos jovens, conceito de risco, fatores de risco e população de risco; Dimensionamento do problema na área de atuação e as prioridades para intervenção, planejamento; Atividades nos domicílios, na comunidade e seus aparelhos, nas escolas, nos ambientes de trabalho; Contrabalançar Autonomia x Proteção; Risco Coletivo x Direito Individual; Intersetorialidade e os múltiplos saberes; Hábitos de Vida, a cultura local e seus valores; Direitos Humanos e Garantias dos Direitos Constitucionais, além de formas de abordagens e didática na forma de se expressar, abordar os temas e posicionar.

Palestra no CEBRAC Itabuna, sobre Violência Urbana e sua relação com o narcotráfico.
  Leia mais...

VIOLÊNCIA CONTRA A VIDA NO BRASIL: EQUIVALE A UMA BOMBA ATÔMICA POR ANO

Por Roberto José*

Foi divulgado no dia 30/10/2017, pelo FBSP – Fórum Brasileiro de Segurança Pública dados alarmantes sobre a violência contra a vida no Brasil, denominados CLIVI – Crimes Letais Intencionais Contra a Vida, que correspondem à soma das vítimas de homicídio doloso, latrocínio, lesão corporal seguida de morte e mortes decorrentes de intervenções policiais, e mortes de policiais (letalidade) em serviço e fora de serviço, esta ultima houve um crescimento de 17,5% no Brasil.

As estatísticas são do 11º Anuário Brasileiro de Segurança Pública e confirmam 61.619 mortes violentas, são relativas ao ano de 2016, o que equivalem, em números, às mortes provocadas pela explosão da BOMBA ATÔMICA que dizimou a cidade de Nagasaki, no Japão, em 1945, durante a Segunda Guerra Mundial. Assim, o Brasil registra o maior número de assassinatos da história em 2016, são 7 (sete) pessoas mortas por hora no país.

Fonte: 11º Anuário da Violência, 2017. FBSP – Fórum Brasileiro de Segurança Pública

Conforme se pode verificar na figura abaixo, o Estado de Sergipe registrou a maior registrou a maior taxa de mortes violentas por 100 mil habitantes: 64, seguido de Rio Grande do Norte, com 56,9, e Alagoas, com 55,9, porém quando falamos de mortes em números absolutos a Bahia lidera o cenário no Brasil, mas em segundo e terceiros lugares, respectivamente, aparecem os estados do Rio de Janeiro (que em 2016 somou 6.262 mortes) e São Paulo (4.925). De 2015 para 2016, ainda conforme o levantamento do FBSP, a variação da taxa de mortes violentas na Bahia aumentou 12,8%…

(mais…) Leia mais...